Uma visão econômica

Uma segunda notícias e igualmente importante partida foi a nova suposição de que os próprios governos eram responsáveis ​​pelo curso geral das condições econômicas. Esta foi uma mudança de orientação política que também emergiu do desafio da Grande Depressão. Uma vez considerado como um assunto além de solução, o nível geral da renda nacional passou a ser visto no final da década de 1930 como responsabilidade do governo, embora as medidas tomadas para melhorar as condições fossem em geral tímidas, muitas vezes equivocadas (como altamente protecionistas). políticas comerciais), e apenas modestamente bem-sucedidas.

Há pouca dúvida de que o capitalismo continuará a sofrer ainda mais alterações estruturais. Os avanços tecnológicos estão reduzindo rapidamente à quase insignificância as barreiras e oportunidades outrora formidáveis ​​da geografia econômica. Entre as conseqüências surpreendentes deste nivelamento tecnológico do mundo estão os grandes deslocamentos de fabricação de alta tecnologia da Europa e América do Norte para as regiões de baixos salários do Sudoeste Asiático, América Latina e África. Outra mudança foi o crescimento sem precedentes dasfinanciamento a ponto de, no início do século XXI, o valor total das transações em moeda estrangeira ter sido estimado em pelo menos 20 vezes o valor de todos os movimentos estrangeiros de bens e serviços. Esta internacionalização limite-cego de finanças , combinada com a capacidade que desafiam a fronteira das grandes corporações para localizar suas operações em países de baixos salários, representa um desafio para o desenvolvimento económico tradicional soberania das nações, um desafio decorrente das novas capacidades do próprio capital.

Uma terceira mudança envolve novamente economia internacional, desta vez através da criação de novas instituições para a gestão do comércio económico internacional. Várias nações capitalistas enfrentaram os desafios da economia internacional em rápido crescimento, unindo as energias do setor privado (incluindo o trabalho organizado) aos poderes financeiros e negociadores do Estado. Essa abordagem “corporativista”, mais evidente na organização da economia japonesa, foi vista com grande promessa na década de 1980, mas na década de 1990 foi considerada extremamente vulnerável ao comportamento oportunista de indivíduos nos setores público e privado. Assim, no início do século XXI, o consenso sobre o papel econômico do governo no capitalismo se afastou do intervencionismo social-democrata dos Estados Unidos.

Mitos e verdades sobre a vacina contra o sarampo.

Desde 2014 não se tem notícias de casos de sarampo no Brasil, em 2016 uma nota da OMS (Organização Mundial da Saúde), reconhecia que a doença havia sido erradicada das Américas.

Mas notícias de dois surtos da doença eclodiram no Brasil no início de 2018, fazendo o Ministério da Saúde recomendar a toda população se vacinar contra o sarampo (saiba mais sobre a doença no site do Ministério da Saúde).

Muitas vezes por culpa das redes sociais e principalmente das “fake news” ou notícias falsas propagadas nelas, muitas pessoas deixam de se imunizar temendo problemas de saúde causados pela vacina.

As agências de saúde tem trabalhado arduamente para mudar essa consciência, inclusive o próprio Ministério da Saúde tem investido fortemente contra tais notícias falaciosas, criando campanhas de comunicação para combatê-las e minimizar os prejuízos à população em geral.

Vamos então a alguns mitos e algumas verdades sobre a doença:

É verdade que a pessoa que já teve sarampo não “pega” novamente?

Sim, é verdade. Uma vez adquirida a doença o nosso próprio organismo cria anticorpos, impedindo dessa forma nova contaminação. Isto também ocorre com a rubéola, catapora e outras enfermidades.

É verdade que adultos não contraem a doença?

É falso. De acordo com organizações da saúde, a probabilidade de infecção é maiores entre mulheres grávidas e crianças pequenas não imunizadas. Mas qualquer pessoa de qualquer idade ou sexo que não estejam imunizadas podem sim ser infectadas.

É verdade que idosos e gestantes não podem receber a vacina contra o sarampo?

A recomendação do Ministério da Saúde é que, para idosos e gestantes não tomem as vacinas.

Os idosos pelo fato de se entender que possam ter sido infectados anteriormente e as gestantes pelo fato do risco à gravidez, neste último caso recomenda a vacinação após o parto. Caso haja um planejamento para engravidar, a recomendação é a imunização pelo menos um mês antes da gravidez.

É verdade que adultos não podem se vacinar?

Isso é falso, um mito. A recomendação é maior para o público infantil, por causa de maiores riscos em adquirir a doença, mas adultos e adolescentes que não foram imunizados devem sim tomar a vacina.

O Ministério inclusive indica que se a pessoa não tiver certeza se já teve a doença ou tomou a vacina, pode procurar um posto de saúde e receber uma dose, pois a vacina não causa problemas.

Instituto divulga lista com as cinco melhores cidades para morar em 2018

Uma vez ao ano, o instituto de pesquisa The Economist Intelligence Unit (EIU), que pertence a prestigiada revista The Economist,  divulga uma das notícias mais aguardadas por seus leitores, a qual contém um ranking com as melhores cidades do mundo para se morar.

Para obter esse resultado, o instituto utiliza um sistema de pontuação que leva em consideração fatores como educação, saúde, cultura, infraestrutura e estabilidade. Seguindo esse sistema, a nota máxima é 100.

Confira a seguir quais são as melhores cidades do mundo para viver em 2018.

  1. Viena, Áustria

Com uma nota de 99,1, Viena alcançou o primeiro lugar da lista em 2018. Capital da Áustria, a cidade possui cerca de 1,5 milhão de habitantes e se destaca por suas atrações históricas e por oferecer uma ampla variedade de entretenimento de qualidade através dos seus inúmeros museus e galerias de arte.

  1. Melbourne, Austrália

Um pouco abaixo, com um índice de 98,4, está a cidade de Melbourne, que é habitada por quase 4,5 milhões de pessoas. Conhecida como a capital cultural da Austrália, Melbourne possui o status de “Cidade da Literatura” pela UNESCO, e é reconhecida por incentivar a arte de rua. Além disso, a região possui muitas áreas verdes e estimula o contato com a natureza através de seus parques urbanas e reservas ambientais.

  1. Osaka, Japão

Com quase 3 milhões de habitantes, Osaka é um dos maiores centros comerciais e financeiros do Japão. Os altos índices de educação e a infraestrutura excelente da cidade são alguns dos diferenciais que contribuíram para o seu bom posicionamento na lista. O incentivo à ciência e ao desenvolvimento tecnológico também são destaques importantes de Osaka.

  1. Calgary, Canadá

Com uma população de 1,3 milhão de habitantes, Calgary é uma cidade muito próspera e em constante ascensão. Alguns de seus pontos turísticos estão entre os mais visitados do Canadá, como o Mundo da Ciência, a Calgary Tower e o Museu Glenbow. Os quesitos que levaram a cidade a essa excelente colocação, de acordo com a The Economist Intelligence Unit foram a estabilidade e a educação oferecida por Calgary.

  1. Sydney, Austrália

Sydney possui quase 5 milhões de habitantes e se destaca por ser uma cidade ensolarada, com praias incríveis e uma atmosfera tranquila e relaxante. Com muitas lojas, museus e teatros, Sydney possui atrações para todos os gostos e foi avaliada positivamente por seus índices de saúde e educação.

Sinais que você não pode ignorar em um relacionamento

Imaginando por que eles não ligaram mesmo que você tivesse um maravilhoso 15º encontro? Bem, se você está no seu 15º encontro, é claramente um relacionamento (a menos que explicitamente declarado de outra forma pelas duas partes)! Mas pode haver momentos em que seu parceiro se sente distante e frio e, se for mais frequente do que outras coisas, pode ser a hora de dar uma boa olhada em seu relacionamento. Embora seja ótimo estar loucamente apaixonado e cego, às vezes você precisa tirar os óculos cor-de-rosa e examinar a realidade que pode não ser tão agradável. Aqui estão sinais e notícias de relacionamento https://www.vix.com/pt/bdm/amor/5-dicas-para-ter-relacionamentos-mais-duradourosque você não deve ignorar!

A distância nem sempre faz o coração crescer mais afeiçoado!

Dando espaço um ao outro é uma coisa boa, mas se parece que você está na Terra, e a outra pessoa está no espaço, então claramente algo está errado! Isso não os torna uma pessoa ruim, mas suas necessidades emocionais são definitivamente diferentes das suas e há muito o que você pode fazer sobre isso.

É um parceiro ou é um parasita?

Estar com o outro é bom, mas ser pegajosa é quando você deve acordar e sentir o cheiro do café. Se você sentir que seu parceiro está em todo lugar, o tempo todo, talvez seja hora de recuar suavemente. Novamente, eles podem ter problemas profundamente arraigados com possessividade e espaço, mas é para o terapeuta resolver, não você.

Tentando criar uma cunha entre você e seus amigos / familiares

Se o seu parceiro está sempre reclamando de seus amigos e familiares ou se não gosta de sair com eles, então você deve realmente examinar seu relacionamento. Muitas vezes, estes são truques e manipulações usados ​​pelas pessoas para ter controle total sobre sua vida e isso nunca pode ser uma coisa boa.

Diferença nos valores principais

Nós não estamos falando sobre ser uma pessoa de cachorro ou uma pessoa de gato (embora se você sentir fortemente sobre ter um animal de estimação, você deve separar este!), Nós estamos falando sobre valores básicos e objetivos na vida. Se você quer filhos, se você é religioso, quais são seus objetivos de longo prazo, quão materialista você é e muito mais – estas são coisas que você deve concordar e respeitar mutuamente se você quer um relacionamento de sucesso!

As cidades mais populosas do mundo em 2100

O crescimento demográfico no mundo poderá mudar completamente a geografia do planeta. Algumas cidades e regiões metropolitanas chegam a ser mais populosas do que alguns países, e o número de indivíduos poderá diminuir ou aumentar com o passar dos anos.

Algumas dessas regiões metropolitanas que lideram o ranking das cidades mais populosas do mundo não conseguirão manter esse posto em 2100, de acordo com estudos e notícias recentes feitos pelos pesquisadores Daniel Hoornweg, da Universidade de Ontário, no Canadá, e por Kevin Pope, da Universidade Memorial da Newfoundland.

Tóquio, por exemplo, é uma região metropolitana com 36 milhões de habitantes e é o centro metropolitano mais populoso do mundo. No entanto, o número de habitantes cairá para 26 milhões até 2100, uma redução significativa de 10 milhões de pessoas.

Mas, nem todas seguirão por esse caminho de redução. A Cidade do México verá sua população aumentar em mais 2 milhões de habitantes, sendo que ela já ocupa a segunda posição do ranking atualmente e possui pouco mais de 20 milhões de pessoas. Entretanto, em 2100, ela cairá para a 34º posição.

São Paulo também é uma das cidades mais populosas do mundo e ocupa a quinta posição com 19,5 milhões de habitantes. Despencaria para a 44º posição, além de haver uma redução em sua população para 19,1 milhões de pessoas até 2100.

Segundo os pesquisadores os primeiros lugares seriam assumidos por cidades de países africanos como Lagos (Nigéria) com 88 milhões de habitantes; Kinshasa (Congo) 83 milhões de habitantes; Dar es Salaam (Tanzânia) com 73 milhões de habitantes ocupando o primeiro, segundo e terceiro lugar respectivamente no ano de 2100.

As outras cidades mais populosas do mundo seriam Munbai (ìndia) com 67 milhões de habitantes; Nova Deli (Índia) com 57 milhões de habitantes; Cartum (Sudão) com 56 milhões de habitantes e Nyamei (Niger) com 56 milhões ocupando o quarto, quinto, sexto e sétimo lugar respectivamente no ranking das 7 cidades mais populosas do mundo em 2100.

Contudo, a demografia em algumas regiões poderá mudar conforme o desenvolvimento socioeconômico das cidades.

Compliance: segundo o advogado Fagali, esse é o tema nº1 dos atuais MBAs do Brasil

Se você está pensando em fazer um MBA, é bom ficar informado sobre o assunto. Tópicos como Compliance têm assumido um papel de destaque em discussões nas salas de aula. Para quem ainda não conhece muito bem o termo, Compliance trata-se de um conjunto de ações que visam atender as normas e regras estipuladas pela legislação vigente.

De acordo com Bruno Fagali, advogado atuante na área de Compliance e membro da Fagali Advocacia, o assunto tem se tornado frequente nos cursos de MBA do país devido a uma demanda das empresas brasileiras, que têm buscado cada vez mais profissionais aptos a lidar com qualquer tipo de desafio que as instituições possam vir a enfrentar.

Um exemplo que corrobora a informação acima é o da Fundação Getúlio Vargas, que para se adequar aos novos tempos, tem realizado reuniões periódicas com as empresas para ficar a par do que elas esperam ver nos cursos.

Outro motivo apontado por Fagali pelo assunto estar sendo amplamente debatido nos cursos de MBA é a necessidade encontrada por parte das próprias instituições de ensino que oferecem esse curso em realizar revisões constantes dos conteúdos ministrados em sala de aula, seja por meio da elaboração de novas grades curriculares ou pela atualização de algumas matérias específicas.

O professor Vicente Ferreira, diretor do Instituto Coppead de Administração da UFRJ, é outro especialista que pensa da mesma forma que o advogado Fagali.

Segundo o diretor, grandes instituições de ensino já incorporaram, de forma transversal, debates que tratam sobre responsabilidade ambiental e social e a transparência nas empresas, assuntos esses que, uma vez bem compreendidos, podem afastar ou minimizar os conflitos de governança dentro de um padrão ético mais elevado.

Compliance, portanto, aparece nesse cenário como uma nova questão a ser tratada para a formação de executivos, sendo também fundamental para que esses profissionais estejam a par das mudanças na sociedade, que tanto vêm cobrando das empresas o cumprimento das leis em vigor.

No entanto, não pense você que é algo fácil discutir Compliance em sala de aula. O coordenador do MBA de Marketing Estratégico da ESPM do Rio de Janeiro, Marcelo Boschi, admite que debates relacionados ao Compliance são sempre um desafio grande devido à atualidade do tema e às complexidades que o mesmo pressupõe.

É muito importante que as instituições de ensino que oferecem cursos de MBA estejam atentas para que esse assunto seja tratado de forma multidisciplinar e para que os docentes estejam preparados para discutir a matéria de forma inovadora e integrada ao restante do conteúdo das disciplinas.

Outros assuntos em voga

Ainda de acordo com o especialista em Compliance Bruno Fagali, outros assuntos vêm sendo debatidos em cursos de MBA, como política internacional e nacional, o design thinking, a tecnologia, a inovação e o empreendedorismo, tópico este essencial para o desenvolvimento dos estudantes e também do Brasil.

Para quais profissionais é válido um curso de MBA?

Por meio de um curso de MBA, você poderá receber o título de Master of Business Administration (Mestre em Administração de Negócios), grau acadêmico de pós-graduação Lato Sensu voltado para profissionais que se interessam pelas áreas de gestão de projetos e gestão de empresas.

Condenação de Hospital Paulista Por Troca de Bebês

As notícias referentes ao sistema de saúde brasileiro nunca foram muito positivas. A Saúde brasileira sempre enfrentou criticas desfavoráveis em vários âmbitos, principalmente no que diz respeito aos procedimentos efetuados dentro dos hospitais. Geralmente sob a mira da imprensa quando se descobre alguma falha em alguma reportagem ou recebem denúncias dos próprios usuários dos serviços. E isso vale tanto para os serviços de saúde privados, quanto públicos.

Agora em agosto, um hospital da região de Bauru -cidade paulista – foi denunciado por uma “troca de bebês”. O Hospital já foi condenando pelo ato, pela 7ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo. Embora o caso tenha ocorrido em 2001, só agora os pais puderam ser ressarcidos com o recebimento de uma indenização de R$ 240 mil reais. A Justiça entendeu e deu validade à causa em vista de os pais, além da troca da criança, não puderam sepultá-la (haviam sido comunicados da morte da criança), e por isso sofreram danos irreparáveis.

Na época, devido à troca de bebês informada, outras catorze mães que deram à luz na mesma época, tiveram que fazer exame de DNA, a fim de comprovar a maternidade dos filhos que criavam. A maternidade responsável foi a Maternidade Santa Isabel, que durante o ocorrido estava sob a responsabilidade administrativa da Associação Hospitalar de Bauru. As notícias que correm é que a instituição de saúde pretende tentar recorrer ao Superior Tribunal de Justiça.

Não são poucos os casos que envolvem dramas e até tragédias, nos hospitais brasileiros, sejam eles de ordem burocrática (como os hospitais são administrados), ou do setor pessoal (como as pessoas – os pacientes – são tratados dentro deles). Um dos problemas mais enfrentados pelos pacientes brasileiros, diz respeito ao erro médico, que mutila, traumatiza ou acaba com muitas vidas.

Notícias como essa chamam a atenção da população , de autoridades e da opinião pública em geral e deve promover uma atenção cada vez mais exigente dos usuários dos estabelecimentos de saúde, a fim de não sofrerem danos advindos dos erros que ocorrem dentro dos hospitais do Brasil.

Cidade suíça de Corippo, para não sumir, tem de virar hotel

Nós, brasileiros, estamos já acostumados com notícias de cidades e até de estados que se pode classificar até como “falidos”, dado o alto endividamento, dadas as contas que não batem, ou seja, um constante déficit. Porém, a realidade de que tratamos aqui, geograficamente falando, está bastante distante de nós, porém, em outros sentidos, não está assim tão diferente. Quem diria que logo a Suíça teria uma cidade passando por dificuldades? Parece algo surreal mesmo, mas isso tem um porquê bem credível: a cidade só possui 12 habitantes!

Como é de se esperar, a cidade de Corippo passa longe de ser alguma capital, sendo mesmo, em verdade, a menor daquele país. Uma nação que, por si só, já é bem menor que a nossa, tendo suas dimensões, a saber, quase iguais às do Estado do Espírito Santo. E é frente a essa realidade de pequenez em dimensões territoriais, que sua dúzia de residentes enfim desistiram da tentativa de aumentar-se o número total de habitantes. A solução, então, foi a de transformá-la em “hotel”, digamos assim, tendo como capacidade umas 26 pessoas por vez.

Como estamos tratando de uma notória decadência dessa cidade, é bastante pertinente trazermos mais detalhes sobre esse processo histórico, visto que não se trata de um fenômeno recente, mas uma situação que vem se agravando há dois séculos. Sim, a saída dos mais jovens daquela área dos Alpes, que acabou ocasionando a situação que destacamos, vem desde o século XIX. E essa saída se dava em função da busca desses jovens pelas cidades grandes, como a própria capital do país e também sua maior cidade, Zurique, que fica a duas horas de viagem dali. Fora Milão também, vale lembrar, que é uma cidade italiana a uma hora e meia, de carro, de Corippo.

Agora, já introduzido o assunto, com direito a curiosidade histórica, tratemos da autoria dessa iniciativa, como o nosso último pormenor: a Fundação Corippo. Nada mais, nada menos que uma organização sem fins lucrativos, logo uma “ONG”, que vem desde a década de 1970,tentando impedir o agravamento da situação em questão. Em suma, tal fundação existe para que seja mantida e revitalizada essa cidadezinha, valorizando não apenas a sua arquitetura histórica, como também algumas das tradições locais.

AIDS: Saiba mais sobre a doença que abalou o país na década de 80

A popularmente conhecida AIDS, que abalou o país nos anos 80 e matou inúmeros astros, como Cazuza e Renato Russo tem voltada com tudo na última década, em especial, pelas novas gerações e por idosos. No primeiro caso, pelo desconhecimento do que foi e a dimensão que a doença tomou no passado, e no segundo, por atos cometidos na grande maioria das vezes na juventude. Com toda esta volta de notícias acerca da AIDS, é necessário salientar e esclarecer algumas questões acerca da doença.

A Aids é uma doença infecto-contagiosa, causada pelo vírus HIV e que tem como principais sintomas, um enfraquecimento cada vez maior do sistema imunológico. Ao contrário do que se pensa, esta doença não é singular, e sim um conjunto de doenças e sintomas acarretados pela imunidade baixa. Conforme o sistema imunológico fica fraco, mais a pessoa fica sucessível a outras doenças, o que acarreta uma piora crescente no quadro, caso a pessoa não faça uso de nenhum medicamento.

A doença costuma se manifestar de maneira leve no início, com viroses ou quadros semelhantes, porém, os sintomas mais comuns são: febre constante; câncer no tecido conjuntivo, dores de cabeça, calafrios, dores musculares e de garganta, e outros similares, que se não tratados, podem evoluir para outras enfermidades, como a tuberculose, pneumonia, meningite, toxoplasmose, candidíase entre outros, que evoluem com o avanço da doença.

Ao contrário do que muitos pensam, o vírus só é transmitido por contato da pessoa com alguma parte ferida com sangue infectado pelo vírus. Desta maneira, o vírus não é transmitido por beijo, suor, banheiros públicos, talheres, mosquitos ou qualquer coisa similar. Se sabe que as formas mais corriqueiras são: o contato com sangue infectado; penetração sexual ou por passar de mãe para filho, porém, a realização de remédios e do pré – natal impedem qualquer possibilidade de contagio.

O tratamento consiste no uso do coquetel de medicamentos para portadores do vírus HIV. Caso a pessoa tome todos os medicamentos da maneira correta, é possível ter uma vida longa e tranquila.

Pela primeira vez em uma década os rendimentos do FGTS superam a inflação

Em 2017 a rentabilidade nominal do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) alcançou os 3,61%, ficando acima da inflação de 2,95% no mesmo período, o que não ocorria a uma década. O ganho real dos trabalhadores foi de 0,55%, um resultado que será maior devido à distribuição de metade do lucro do fundo, que será realizada até o final de agosto deste ano conforme a legislação determina. Os cálculos são feitos levando em consideração o saldo disponível até o dia 31 de dezembro de 2017.

A rentabilidade do FGTS apesar de ter sido maior que a inflação, foi menor que o da poupança que chegou a 6,8%.

O balanço do fundo realizado pela Caixa Econômica Federal, responsável pela administração do recurso divulgará o lucro do FGTS de 2017 no mês de julho. Foram 247,7 milhões de contas que receberam parte do lucro do FGTS no ano passado, benefício que chegou a 88 milhões de pessoas.

Esse resultado nominal de 2017 foi positivo, mas só aconteceu devido a inflação ser positiva para baixo. Em 2018 não é esperado que essa situação se repita antes do lucro ser distribuído, devido a TR ser igual a zero, explica o economista Alexandre Cabral. A rentabilidade básica será de 3% e a espera do mercado no Índice de Preços ao Consumidor Amplo alcançará 3,95% em 2018. Cabral disse que poupança terá remuneração próxima dos 4,9%, e os trabalhadores que se beneficiaram com a distribuição de resultados de 2017 podem aumentar a rentabilidade do Fundo de Garantia.

Apesar dos resultados do FGTS terem tido uma sequência boa, muitos trabalhadores brasileiros não sabem o seu saldo em conta, recebem seus pagamentos mensais sem nenhum acompanhamento do depósito do FGTS, e nem sabem o valor que foi acumulado nas contas durante o ano.

Os saldos do FGTS podem ser consultados pelo site da Caixa Econômica Federal, ou pelo telefone 0800 726 0207, a ligação é gratuita. Existem também o aplicativo da Caixa para celulares, e os que possuem conta na caixa, podem acessar o internet banking.

A retirada do saldo em conta só é permitida por lei, como em casos de aposentadoria ou quando a conta estiver inativa por mais de três anos.