Buracos negros podem ser a fonte de energia para viagens interestelares

Os buracos negros podem conter os segredos mais profundos do Universo, como o poder de viajar no tempo e no espaço e alcançar os sistemas estelares mais longínquos. Os conceitos teóricos para a busca deste feito já fazem parte das propostas de grandes nomes da humanidade, mas a falta de tecnologia para isso ainda é uma realidade nesta época. Mas, a esperança é a última que morre e alguns cientistas estão estudando a possibilidade de utilizarem buracos negros como forma de impulsionar espaçonaves próximo a velocidade da luz.

A energia produzida por disparos de feixes de energias são alguns dos aspectos especulados para este novo método que ainda está sendo estudado. Neste novo método, os feixes de laser produzidos por uma espaçonave deverão curvar-se ao redor de um buraco negro, ou buracos negros, e voltariam com mais energia para a espaçonave poder alcançar velocidades extremas.

“É normal encontrarmos em diversos softwares uma brecha chamada de exploit, um tipo de recurso que permite um usuário de computador alcançar grandes façanhas naquele software. Essa é uma das melhores formas de nós explicarmos o que pretendemos para este projeto, pois o software seria a representação do nosso Universo físico, e o exploits seriam todos os recursos que permitiriam de fato explorarmos os confins das galáxias sem a perda de energia que nos limita”, explica um dos autores do estudo, o astrofísico David Kipping, membro da Universidade de Columbia, localizada em Nova York.

As notícias sobre este novo método que poderia revolucionar o meio com que o ser humano iria explorar o Universo foram publicadas primeiramente no site do Space e logo em seguida em sites relacionados com o assunto. No texto sobre o estudo, Kipping deixa claro que o principal desafio de uma viagem interestelar através do espaço é que o objeto propulsor geralmente possui grande massa.

“Quando estamos falando de viagens longas estamos falando de grandes quantidades de combustível, algo que impossibilita que uma nave alcance grandes velocidades no espaço. Quanto maior a nave, maior seria a quantidade de combustível e o peso alcançado. Mas e se nós contássemos com outra forma de propulsores, como uma tecnologia baseada em lasers? Se quisermos alcançar um patamar de viagem entre as regiões mais afastadas do Universo devemos focar em níveis de energia e propulsores leves para isso. Podemos utilizar o próprio Universo como fonte de energia e essa talvez seja a solução definitiva”, explica Kipping.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *