Pesquisa da Serasa revela aumento no número de inadimplentes em outubro

Um novo estudo feito pela Serasa Experian revelou que o número total de consumidores em situação de inadimplência no país atingiu os 61 milhões no mês de outubro deste ano. Segundo a pesquisa, o número teve uma alta de 4,45% em relação ao mesmo mês de 2016. As dívidas dos consumidores somaram R$ 269,1 bilhões no mês de outubro, chegando a uma média de quatro dívidas cadastradas no CPF de cada consumidor. O valor da média das dívidas foi de R$ 4.411,00 por inadimplente em outubro.

Os economistas da Serasa avaliaram os dados da pesquisa alegando que o aumento da inadimplência ocorreu por parte de um reflexo já esperado em relação ao Dia das Crianças, que costuma movimentar grande parte do comércio. Isso porque as datas comemorativas costumam ter grande impacto no aumento da inadimplência no país.

Dentre as faixa etárias, a maior concentração de inadimplência foi de pessoas entre 41 e 50 anos de idade, somando um total de 19,6% de toda a concentração de negativados no país em outubro deste ano. Os jovens de 18 a 25 anos foram a segunda faixa etária com maior concentração de inadimplência, chegando a um total de 14,5%. Já entre os gêneros, os homens ocuparam mais da metade da parcela de inadimplentes no país no mês de outubro, chegando a 50,8%.

A pesquisa ainda revelou que as dívidas foram contraídas em grande maioria por parte dos setores bancários e por parte do cartão de crédito, sendo esses dois fatores responsáveis por 29,6% da inadimplência no mês de outubro. Em relação ao mês de outubro do ano passado, esse dado teve uma queda de 2,3 pontos percentuais em relação ao segmento das dívidas.

Os outros segmentos de inadimplência analisados pela pesquisa tiveram o seguinte retrospecto no mês de outubro deste ano: utilities (água, energia elétrica e gás), totalizou 18,4% das dívidas, o que significa um aumento de 3,0 pontos percentuais comparado ao ano passado; telefonia totalizou 11,7% das dívidas, o que significa uma queda de 0,6 ponto percentual comparado a outubro de 2016.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *